Reunião com GHC traz novos debates acerca do acordo interno

O SERGS, juntamente com outros representantes sindicais, participou do ato e assembleia no Hospital Cristo Redentor para discussão da renovação do acordo interno GHC no dia 29 de agosto. Na ocasião, foi deliberada a proposta oferecida pela gestão do hospital, que previa o reajuste de R$ 13,00 sobre o valor mensal do Vale Alimentação retroativo à 1º de abril. A proposta acabou sendo aceita, após meses de difícil negociação.

No dia 4 de setembro, ocorreu uma nova reunião convocada pela patronal para debater o acordo interno após a assembleia. A mesa se comprometeu a retomar os debates sobre a diferença da inflação no Vale Alimentação e a reinclusão das férias-prêmio e a Licença Capacitação, e foi apresentado pedido de discussão para garantia de folga de um dia aos trabalhadores, ou no natal ou no ano novo.

Ambas as partes acordaram pela renovação do acordo coletivo do banco de horas com data base de 1º de maio pelo período de dois anos (2017-2019). As compensações de horas poderão ser realizadas inclusive em local insalubre. Contudo postula-se análise quanto às empregas gestantes e lactantes nestes locais, que neste caso será regido pelas normas vigentes.

O SERGS lembra que as negociações com o GHC foram marcadas por uma política de intransigência da patronal, completamente surda aos apelos da classe trabalhadora. A falta de diálogo por parte do Governo Federal foi apontada como inadequada até mesmo pelo TRT, que mediou as negociações por falta de consenso entre as partes. A gestão do GHC seguiu intransigente durante quase todo o processo e sequer apontou estudos, ou fez apontamentos, que corroborassem os impactos econômicos que a retirada desses direitos traria ao hospital, ao que mais parece decisões meramente políticas.

Para as entidades sindicais, está clara a decisão do Governo Federal de manter a intolerância nas negociações com trabalhadores(as), o que é inversamente proporcional à lógica neoliberal defendida de trazer mais liberdade nas negociações entre patrão-empregado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + 16 =