Categorias da saúde propõem unificação de acordos e pagamento de abono retroativo para CCG/Humaniza

Mediação no TRT-4 será retomada no início de abril

 

SERGS, Sindisaude e Sindifars participaram de mais uma sessão de mediação no TRT-4, na tentativa de fechar os acordos coletivos de trabalho pendentes com a Hapvida/Centro Clínico Gaúcho – que administra Hospital Humaniza, entre outros serviços de saúde.

A mediação ocorrida nesta quinta (7) foi conduzida pelo desembargador Alexandre Corrêa da Cruz, com a presença da juíza auxiliar Luciana Caringi Xavier e do procurador regional do Ministério Público do Trabalho (MPT), Marcelo Goulart. O SERGS foi representado por sua presidente Cláudia Franco e pela assessora jurídica Raquel Paese.

Cláudia Franco mais uma vez ressaltou a importância da unidade sindical no RS. “A Hapvida precisa respeitar os trabalhadores e sindicatos que os representam, para não ficarmos perdendo tempo nessa mediação”, comentou.

Diante do impasse entre trabalhadores e representantes do conglomerado, o MPT sugeriu que o acordo coletivo celebre inicialmente os pontos onde há convergência,  envolvendo o pagamento de um abono referente ao deslocamento de reajuste das categorias em suas respectivas datas-base, nos últimos anos.

A partir dessa sugestão, ficou acertado que os sindicatos vão apresentar uma proposta de clausulamento geral para celebração dos acordos coletivos, destacando as questões específicas relativas à cada categoria até o final da próxima semana. O grupo Hapvida/Centro Clínico Gaúcho vai analisar a proposta até o final de março e a mediação no TRT-4 será retomada no dia 01 de abril, às 14h.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

doze − oito =