Sindicatos conseguem retorno à data-base, mas a luta pela recomposição das perdas nos filantrópicos continua

Assembleia levará a proposta para votação da categoria

 

A direção do Sindiberf Porto Alegre e das bases inorganizadas do RS resistiu mais uma vez e não aceitou conceder o reajuste de 2% aos trabalhadores da saúde, a título de reposição das perdas dos últimos anos. A patronal confirmou, porém, a correção salarial equivalente ao INPC na data-base das categorias, a partir deste ano, mantendo a mediação aberta para recompor as perdas. Também foi ratificado o reajuste de 4% para enfermeiros(as), retroativo a novembro de 2023, referente ao ano passado. Todas essas propostas foram discutidas nesta segunda (29) na mediação realizada no TRT-4. O SERGS foi representado por sua presidente Cláudia Franco, pela vice-presidente Denize Cruz e pela assessora jurídica Raquel Paese. A mediação foi conduzida pelo desembargador e presidente do TRT-4, Alexandre Corrêa da Cruz.

Mesmo não sendo o acordo desejado pelos sindicatos dos trabalhadores da saúde, essa negociação garante pelo menos o retorno do INPC à data-base das categorias e a continuidade da mediação para recuperação das perdas ocorridas, entre 2019-2022. Os sindicatos vão levantar todos os dados financeiros possíveis para provar que há condições das instituições realizarem essa recomposição, honrando com o que foi tratado na época.

Cláudia Franco lembrou o esforço feito pelos sindicatos durante os anos da pandemia e que até o momento só os trabalhadores cederam. “Se depender do esforço da patronal, nunca vamos receber de volta esse valor perdido”, reclamou a vice Denize Cruz. O desembargador Alexandre Corrêa da Cruz também ressaltou que é preciso avançar nessa recomposição de perdas sob a pena de violar o princípio da irredutibilidade salarial.

Todas essas propostas serão agora levadas à votação dos trabalhadores em assembleia, a ser marcada por cada um dos sindicatos nos próximos dias. Essa assembleia será online, pelo Facebook do SERGS e é muito importante a participação de todos(as) que atuam nas instituições dessa base, pois só assim fortaleceremos a luta.

Uma nova sessão de mediação para tratar especificamente das perdas nos anos anteriores ficou agendada para o próximo dia 16 de abril.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

10 − 2 =