Enfermeiros e enfermeiras aprovam Convenção Coletiva de Trabalho negociada pelo Sergs com Sindihospa

Na sexta-feira e quinta-feira da semana passada, os enfermeiros e as enfermeiras estiveram reunidos para analisar a CCT, resultado das negociações entre SERGS e Sindihospa. A resistência e persistência do SERGS na negociação garantiu aos enfermeiros o reajuste de 2% no ano de 2018, retroativo a maio de 2018, cujas diferenças serão pagas em duas vezes (em maio e junho de 2019). Além disso, também já se firmou o reajustamento para esse ano de 2019, em cima da inflação de maio 2019 (INPC integral).

O Sindicato dos Enfermeiros do Estado do Rio Grande do Sul, SERGS, considerou essa negociação a mais difícil dos últimos tempos. “Demoramos quase um ano para fechar um acordo porque não adianta garantir o reajustamento, porém, perdendo direitos, perdendo cláusulas sociais de suma importância ”, enfatizou Estêvão Finger, presidente do SERGS.

O processo de negociação com Sindihospa foi o primeiro após a aprovação da Reforma Trabalhista. Nesse sentido, pela primeira vez, a patronal trouxe reivindicações da própria Reforma Trabalhista para dentro do acordo. Por esse motivo, do ponto de vista dos patrões, as negociações se iniciaram do zero. “Antes da reforma, até se ter uma nova CCT, as relações estavam validadas em cima da última convenção. Depois da mudança, as CCT valem só pelo tempo de vigência ”, explicou Finger.

Para o SERGS, a CCT foi uma grande conquista dos trabalhadores e das trabalhadoras. “Estamos vivendo um período atípico. Garantir o reajustamento e não perder nas cláusulas sociais é uma grande vitória da categoria”, apontou Estêvão.

 

Durante as assembleias foi apresentado o texto da Convenção Coletiva de Trabalho. No final dos dois momentos houve a votação e a aprovação por unanimidade dos enfermeiros e enfermeiras. Em breve, o texto da CCT estará disponível em nosso site.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

20 − 6 =