Servidores da Saúde de Canoas definem dia 29 se haverá paralisação

Na entrevista, o presidente do SERGS, Estêvão Finger, destaca que os atrasos salariais dos servidores/as, que não recebem nem vale-transporte para irem trabalhar e o corte de verbas públicas, restringe os serviços prestados à população.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

10 − seis =