?SERGS aponta falta de medidas concretas do Estado para a saúde 

O Plenarinho da Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul realizou na manhã desta quarta-feira, dia 5, Audiência Pública sobre Relatório Detalhado de Prestação de Contas, do 3º Quadrimestre de 2016, da Gestão da Secretaria Estadual de Saúde.

Com presença do Presidente do SERGS, Estevão Finger, e da representante do Conselho Estadual de Saúde, Denize Cruz,  a situação financeira do Estado e, consequentemente da Saúde,foram debatidas.

O Estado usou a crise como justificativa. Estevão Finger rebateu dizendo que por trás do discurso da crise está a intenção da privatização da saúde. Ele lembrou que pelo relatório divulgado nota-se uma diminuição dos recursos para a área de Atenção Básica, uma das mais estratégicas da saúde, “onde pelo menos 70% dos casos seriam resolvidos”. Outro ponto questionado pelo presidente do Sindicato foi a clara diminuição dos investimentos na área da saúde, em comparação ao Governo anterior, e lembrou que este não vem buscando soluções concretas para resolver os problemas dos gaúchos.

Por fim, Estevão defendeu o SUS público e de qualidade e fez um apelo: “os profissionais que passam atendendo a população em condições insalubres e precárias de trabalho são os mais afetados por esse discurso de crise. Há enfermeiros no interior que não recebem seu salário há meses. Falta diálogo das gestões com os trabalhadores”. A secretária geral do SERGS, Denize Cruz, comentou também que o Conselho Estadual de Saúde avalia com preocupação a situação financeira dos hospitais.

Texto e foto: Assessoria de Comunicação SERGS 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

5 − um =