SERGS defende testagem em massa da linha de frente | Sergs

Notícias

SERGS defende testagem em massa da linha de frente

 

O SERGS tem sido notificado sobre a falta de EPIs para os profissionais da Enfermagem em muitos hospitais e serviços do Estado. Porém nem sempre estas demandas chegam através dos profissionais, muitas vezes o sindicato é informado pela imprensa de algum problema pontual mais grave em alguma instituição ou serviço de saúde.

É importante que enfermeiras e enfermeiros façam o encaminhamento adequado de qualquer demanda relacionada ao Covid quanto ao descumprimento das exigências mínimas para a proteção dos trabalhadores.

Vale lembrar que o SERGS e as demais entidades de trabalhadores da saúde já garantiram na justiça o cumprimento do fornecimento de EPIs no HCPA e GHC, com a criação de canais internos nestas instituições para acompanhar semanalmente os casos de Covid nas equipes, os afastamentos de grupos de risco e o fornecimento de EPIs. Nos demais hospitais da rede pública e privada, este controle depende muito da participação da categoria para denunciar quaisquer irregularidades.

Essas demandas podem ser encaminhadas ao Coren-RS, de forma anônima, ou diretamente ao sindicato, que também resguardará o sigilo dos reclamantes. O importante é que as entidades sejam notificadas para poderem agir com a maior agilidade possível, junto às gestões das instituições e, conforme o caso, até mesmo, na via jurídica.

TESTAGEM EM MASSA

Outro pleito importante defendido pelo SERGS e pelas demais entidades que representam os trabalhadores da saúde é a testagem em massa de todos que estão na linha de frente da pandemia. “Essa é uma orientação do Cofen, que ganhou liminar sobre a necessidade de testagem de todos os profissionais”, alerta Cláudia Franco, presidenta do SERGS.

Para Cláudia essa é uma medida que seria fundamental nesta fase em que os números crescem no Brasil e no RS.  “Infelizmente essa medida não vem sendo cumprida pois estamos sem uma liderança que assegure os direitos dos profissionais no Ministério da Saúde neste momento”, complementa.

 

 

 

 

Compartilhe esta notícia