Profissionais são assediados para aceitar demissões no IMESF | Sergs

Notícias

Profissionais são assediados para aceitar demissões no IMESF

 

O SERGS realizou nesta quarta, dia 13, uma coletiva de imprensa com live em sua página no Facebook para trazer o cenário atual da saúde em Porto Alegre, na perspectiva dos enfermeiros da atenção básica.Participaram da coletiva a presidente do SERGS, Cláudia Franco, o diretor Carlos Füssiger Luz, que é enfermeiro no IMESF, e os delegados sindicais no instituto Estevão Finger e Josieli Ferretti.

Cláudia iniciou falando do assédio que os trabalhadores do IMESF estão sofrendo neste momento, tendo o pagamento do Vale-alimentação condicionado à aceitação das demissões. “Como os trabalhadores recusaram a proposta de acordo para as demissões, está havendo agora represália por parte da prefeitura”, explicou na coletiva a presidente do SERGS.

Carlos, Estevão e Josieli trouxeram a realidade atual do IMESF e informaram que a pressão psicológica está muito grande por parte da prefeitura. Muitos enfermeiros também se manifestaram na live, agradecendo ao sindicato pelo espaço de acolhida e confirmando o assédio que estão sofrendo.

Durante a coletiva, os enfermeiros avaliaram a situação atual da saúde em Porto Alegre, o sucateamento e defasagem de profissionais nos postos da capital, o que leva muitas vezes à subnotificação de casos de Covid-19. Também demonstraram preocupação com a chegada do inverno, que torna ainda mais fundamental a presença dos profissionais da saúde da atenção básica, que apoiam diretamente a população. “Não falamos somente em relação à demissão dos enfermeiros. É uma irresponsabilidade demitir médicos, enfermeiros, técnicos e agentes comunitários de saúde nesta hora de pandemia”, observa o delegado sindical Estevão Finger.

Denunciaram, ainda, que além de não reaproveitar os profissionais concursados no quadro do município, a Prefeitura também descumpre Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) do TRT ao terceirizar a atenção básica em Porto Alegre. “Recompor os quadros da atenção básica, garantindo direitos adquiridos dos profissionais e mantendo a população assistida com equipes experientes e que já possuem vínculos com a comunidade seria o melhor caminho neste momento”, concluiu a presidente Cláudia.

 

Entenda o caso IMESF

Cerca de 1,8 mil profissionais do instituto estão sob ameaça de demissão desde setembro de 2019, quando a prefeitura decidiu terceirizar os serviços de atenção básica de saúde de Porto Alegre como resposta à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), considerando o Imesf inconstitucional. Desde então, começou um impasse envolvendo o fim do CNPJ do instituto e a situação dos trabalhadores concursados, sob ameaça de desligamento.

 

 

Lives do SERGS – novidade desta quarentena

Na Semana da Enfermagem, o SERGS realizou esta live de forma piloto para alertar sobre um tema importante para a sociedade e para a categoria. Esta primeira live foi realizada ao meio-dia, no intervalo de almoço, porque a prefeitura não liberou diretor e delegados do IMESF, conforme solicitado previamente pelo SERGS, descumprindo a Convenção Coletiva do Sindihospa que prevê liberação dos representantes para atividades sindicais.

A ideia é seguir com lives semanais, com temas diversos relacionados às lutas da Enfermagem, sempre com a participação plural de vários diretores e da categoria. Aguarde e participe das próximas. Vamos construir juntos(as) esse novo canal de comunicação.

 

Compartilhe esta notícia