MPT recomenda afastamento de grupos de risco na PUC | Sergs

Notícias

MPT recomenda afastamento de grupos de risco na PUC

 

O SERGS está acompanhando o processo administrativo do Ministério Público do Trabalho (MPT) que recomendou o afastamento dos trabalhadores com mais de 60 anos que apresentem comorbidade e o remanejo dos demais nesta faixa etária, no Hospital São Lucas, da PUC. O objetivo é prevenir a contaminação destes profissionais considerados de grupo de risco para Covid-19. A decisão foi proferida em final de junho pelo MPT.

É importante que enfermeiros(as) não tenham medo de fazer a denúncia, pois só assim o sindicato que representa a categoria terá como agir - lembrando que o anonimato ao autor da denúncia é sempre respeitado.

O SERGS tem acompanhado de perto a situação do contágio pelo Coronavírus em todos os grandes hospitais do RS. Além do afastamento dos grupos de risco, a entidade tem defendido a testagem em massa de todos os trabalhadores da linha de frente, mesmo aqueles assintomáticos.

Diversas ações jurídicas têm sido tomadas desde o início da pandemia mas, para que isso ocorra, é fundamental que a categoria siga se manifestando e encaminhando denúncias ao seu sindicato.

“A gestão das instituições reluta em afastar grupos de risco e testar em larga escala seus profissionais pois sabe que a quantidade de contaminados será ainda maior”, alerta Cláudia Franco, presidente do SERGS. Segundo Cláudia, essa é uma postura negacionista e que põe em risco ainda maior as equipes e a população atendida.

 

Mais um óbito no RS

O SERGS manifesta seu pesar pelo falecimento da técnica em Enfermagem Vera Lúcia Teixeira, do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Este foi o primeiro caso de óbito entre trabalhadores da instituição e o quarto entre profissionais de enfermagem no RS.

No dia em que mais uma vida da enfermagem foi perdida para este vírus, o SERGS conta com o apoio de todos(as) para seguir na luta pelo direito à vida de cada profissional.

Conforme os dados do Observatório do Cofen, já são mais de 2.700 casos confirmados de contaminação entre os profissionais da enfermagem, mas este número pode ser ainda maior devido à subnotificação.

Compartilhe esta notícia