Em mediação no TRT, SERGS rebate a descabida tese de atrelar reajuste ao Piso

O SERGS participou nesta quarta (26) da primeira mediação realizada pelo TRT para firmar a Convenção Coletiva com a patronal dos filantrópicos (Sindiberf). A mediação, conduzida pelo desembargador Ricardo Martins Costa,  debateu o impasse referente ao reajuste pelo INPC, tendo em vista que o Sindiberf defende a descabida tese do Piso Salarial da Enfermagem como “teto” para incidência do reajuste.

Logo no início da mediação, o assessor jurídico do SERGS, Jeverton Lima, do escritório Young, Dias e Lauxen, que representa o SERGS no interior, comentou que a tese de atrelar o reajuste é totalmente sem propósito, pois a Convenção Anual tem por objetivo recuperar perdas financeiras na data-base da categoria, o que independe de qualquer Lei que venha a ser aplicada. A mediação também teve a participação dos advogados Raquel Paese e Pedro Jacoby, do escritório Paese e Ferreira Advogados, que representa o SERGS na capital.

Segundo a presidenta do SERGS, Cláudia Franco, não está se falando de aumento real, mas de reposição de perdas decorrentes da inflação nos últimos anos. A vice-presidente do SERGS, Denize Cruz, também se manifestou lamentando a postura irredutível e insensível da patronal, tentando fazer a enfermagem ser penalizada pela aprovação do Piso Salarial.

Após as manifestações dos sindicatos presentes, representando trabalhadores e patronal, o desembargador Martins Costa agendou uma nova rodada de mediação para o próximo dia 7 de novembro, às 17h30.

Para conferir como foi a mediação acesse aqui. Siga acompanhando as notícias sobre as negociações no site e redes sociais do SERGS, ajude na pressão. Não vamos admitir nenhum retrocesso. Chega de desrespeito com a Enfermagem.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

vinte − cinco =