SERGS leva ao Ministério Público tema dos atrasos e demissões no Hospital Porto Alegre

O SERGS participou nesta quarta (1º), juntamente com o Sindisaúde, de uma audiência de mediação no Ministério Público do Trabalho (MPT), na tentativa de dar fim ao impasse referente aos atrasos salariais e demissões ocorridas no Hospital Porto Alegre. A mediação foi conduzida pela Procuradora do MPT, Juliana Bortoncello Ferreira, e teve a participação da diretora do SERGS, Cláudia Silva, e do assessor jurídico do sindicato, Saulo Oliveira do Nascimento.

A instituição tem atrasado salários desde janeiro de 2021, conforme tem sido denunciado pelo SERGS, que também entrou com ação judicial tão logo os atrasos começaram, no intuito de proteger as(os) enfermeiras(os).

Na reunião realizada com o MPT, os dois sindicatos denunciaram os atrasos de salários e as demissões em massa ocorridas recentemente, sem prévia negociação. Também foi pedida a notificação da Associação dos Funcionários Municipais de Porto Alegre – AFMPA, responsável pela folha de pagamento do HPA, e da Associação Beneficente São Miguel, arrendatária do hospital, uma vez que, além dos atrasos e das demissões em massa sem prévia negociação, a AFMPA pretende fazer o pagamento das verbas rescisórias em 12 parcelas, o que além de ilegal, traz enorme prejuízo aos trabalhadores.

Segundo Cláudia Silva, essa é uma situação inaceitável, com demissões ilegais. “_Estão tentando transformar uma sucessão caracterizada em um simples contrato de compra e venda, prejudicando trabalhadores, com demissões sem negociação com os sindicatos e ainda com pendências de atrasos nos salários_”, analisou Cláudia.

A instituição alega que há atrasos no repasse de verbas do município, que não esteve presente na mediação. Diante da gravidade dos fatos, uma nova reunião foi agendada para o próximo dia 8 de dezembro, para a qual se espera a presença da Procuradoria do Município.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dezesseis − dois =