SERGS é contrário ao retorno das gestantes

As gestantes fazem parte de um dos grupos de maior risco para a Covid-19. Mas o Projeto de Lei 2058/2021, aprovado na Câmara dos Deputados na última semana, altera a Lei 14.151, que determina o afastamento das grávidas de atividades presenciais durante a pandemia, com garantia de remuneração integra.

O projeto coloca em risco milhares de mulheres em todo país. O Brasil registra 77% do total de mortes de gestantes e puérperas no mundo. Segundo especialistas em obstetrícia, representantes da Justiça do Trabalho e do Ministério da Saúde, mesmo imunizadas com as duas doses da vacina, gestantes não deveriam voltar ao trabalho presencial.

O SERGS se soma a outras entidades da saúde que são contrárias ao retorno das gestantes ao trabalho e estará se mobilizando na luta para que este Projeto de Lei seja vetado.

Além disso, desde o início da pandemia, o SERGS tem garantido na via judicial para enfermeiras o direito ao afastamento das gestantes das áreas de risco para a Covid-19.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dezoito − dois =