Votação no Senado consegue frear retrocesso trabalhista

E o mês de setembro começou freando o que seria mais um grande retrocesso nas relações trabalhistas. O Senado Federal rejeitou, nesta quarta (01), o projeto do governo de criação de novos regimes de contratação sem direito a férias, 13o salário e FGTS.

A Medida Provisória 1045 havia sido aprovada na Câmara e, se aprovada no Senado, representaria uma precarização ainda maior dos direitos trabalhistas.

O SERGS e todas as entidades sindicais comemoram este resultado e seguem na defesa dos direitos dos trabalhadores, em alerta contra retrocessos e na luta pela aprovação do texto integral do PL2564/2020, com discussão e votação no pleno do Senado. “Assim como o plenário decidiu por não precarizar ainda mais as relações trabalhistas, esperamos que os senadores votem a favor da Enfermagem” afirma a presidenta do SERGS, Claudia Franco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 + dezesseis =