SERGS participa do lançamento de e-book sobre Atenção Primária e 70 anos da Aben-RS

 

A Associação Brasileira de Enfermagem (Aben-RS) está comemorando 70 anos de sua fundação neste 2020. Para marcar a data, a entidade está promovendo uma série de debates online sobre temas afetos à profissão, sempre às segundas-feiras. Nesta segunda, dia 26, o tema foi o escopo do trabalho da enfermagem na atenção primária à saúde, com lançamento de um e-book sobre o assunto, desenvolvido a partir de resultados colhidos em um grupo de estudos da Aben-RS, de setembro de 2018 a novembro de 2019. O encontro online teve a mediação das organizadoras do estudo, enfermeiras Sandra Rejane Ferreira, Scheila Mai, Lisiane Périco, Vania Micheletti e Juliana Santos da Rosa, e participação dos presidentes das três entidades: Joel Mancia (Aben-RS), Cláudia Franco (SERGS) e Daniel Menezes de Souza (Coren-RS).

De acordo com o estudo, no âmbito da atenção primária, a enfermagem e, em especial as enfermeiras e os enfermeiros, estão sobrecarregados e envolvidos em atividades administrativas e gerenciais, deixando de lado suas funções assistenciais.

Em sua manifestação, a presidente do SERGS, Cláudia Franco, saudou a Aben-RS pelo seu 70º aniversário e também pela edição do e-book. “O estudo contemplou as ansiedades de quem atua na atenção básica, é um documento muito importante, que precisa ser compartilhado com profissionais, professores e estudantes”, afirmou.

Para Cláudia, que prefere o conceito atenção básica ao termo atenção primária, as universidades ainda discutem pouco o acolhimento e a sistematização do atendimento. “Não se aborda com a devida atenção nos cursos técnicos e de graduação temas como a consulta de enfermagem e o acolhimento ao invés da triagem”, comenta.

De acordo com a presidente do SERGS, a atenção básica vive um momento difícil no país e um dos exemplos é o que está acontecendo em Porto Alegre, com a destruição do IMESF. Cláudia também ressaltou que a pandemia evidenciou a importância da enfermagem, não somente na assistência hospitalar. “A atenção básica fez o acolhimento de centenas de casos da Covid e já começa a receber uma massa de sequelados nos postos de saúde”, afirmou.

Como representante do sindicato, Cláudia lembrou ainda que é do interesse dos gestores dos serviços colocar enfermeiras e enfermeiros presos na burocracia e que uma enfermagem mais resolutiva seria o melhor caminho para qualificar o atendimento aos usuários.

O presidente do Coren-RS, Daniel Menezes de Souza, também ressaltou as lutas em defesa de uma maior autonomia profissional, citando o caso da Enfermagem Obstétrica como um dos exemplos de luta por empoderamento na profissão.

Por fim, o presidente da Aben-RS, Joel Mancia, destacou a importância da união das entidades no intuito de fortalecer e vencer a invisibilidade no campo da enfermagem.

Acesse abaixo o e-book: 

E-book DAPS-ABEn-RS Reflexões Escopo Trab Enfermeira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 + 12 =