SERGS debate diferentes formas de violência

 

Um debate sobre as mais diversas formas de violência presentes em nossa sociedade, principalmente neste momento histórico de pandemia. Dos corredores dos hospitais ao ambiente doméstico, a violência se manifesta de diferentes maneiras. E muitas vezes as vítimas desta violência são as mulheres, seja no abuso e na violência doméstica, no assédio e preconceito no ambiente de trabalho ou na violência obstétrica na hora do parto. As enfermeiras neste momento têm de conviver com mais uma forma de violência: a incitação à invasão de hospitais e a falta de condições mínimas de trabalho para enfrentar esta grave crise sanitária.

Para debater todas essas frentes, o SERGS convidou mulheres que lideram importantes projetos de combate à violência. Na terceira edição da live SERGS Debate o tema é Enfermagem na luta contra a violência de todas as formas. O debate acontece nesta quarta, dia 17, às 18h, pelo Facebook do Sindicato, com mediação da presidenta Cláudia Franco.

Veja quem são as convidadas desta semana:

 

Tatiana Barreira Bastos, Delegada de Polícia do Estado do Rio Grande do Sul, desde 2004, atualmente titular da 1ª Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher de Porto Alegre e Diretora da Divisão de Proteção e Atendimento à Mulher, do Departamento Estadual de Proteção a Grupos Vulneráveis – DPGV. Pósgraduada em Direito Penal e Processual Penal pelo Instituto de Desenvolvimento Cultural – IDC, Especialista em Gestão e Monitoramento de Políticas de Segurança Pública, pela UFRGS, Docente da ACADEPOL- Academia da Polícia Civil, do Instituto de Desenvolvimento Cultural e da Verbo Jurídico. Autora das Obras: Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher – Análise da Lei Maria da Penha (Lei nº. 11.340/2006) – Um diálogo entre a Teoria e a Prática, e Lei Maria da Penha – comentários artigo por artigo e estudos doutrinários.

 

Ariane Leitão, advogada feminista e especialista em Direitos Humanos. Autora do livro Tráfico de Mulheres: a exploração sexual no Brasil e a violação aos direitos humanos. Consultora e fundadora da Ó Mulheres: assessoria e consultoria em gênero e direitos humanos. Ariane foi Secretária Estadual de Políticas Para Mulheres do Rio Grande do Sul e Vereadora na cidade de Porto Alegre, onde é de sua autoria a Lei 12.105/2016 , que determina que “todos os veículos que fazem transporte público na cidade disponibilizem os números de atendimento às mulheres vítimas de violência”. Ativista feminista há 20 anos é militante da Marcha Mundial de Mulheres, mãe do Francisco e atua ainda, junto aos temas da infância, juventude e relações familiares. No Legislativo Gaúcho foi Coordenadora da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos e atualmente Coordena a Comissão de Segurança e Serviços Públicos e a Força-Tarefa Interinstitucional de Combate aos Feminicídios.

 

Vanderleia Pulga, doutora em Educação com ênfase na  saúde pela UFRGS. Mestre em Educação – Educação, Cultura Popular e Saúde pela UPF. Especialista em Preceptoria no SUS pelo Instituto Sírio Libanês de Ensino e Pesquisa. Especialista em Docência na Saúde pela UFRGS. Graduada em Filosofia (IFIBE/UPF). Docente de Saúde Coletiva da UFFS/Campus Passo Fundo/RS na graduação em Medicina. Coordenadora da COREMU da UFFS e do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde. Integrante do GT Educação Popular e Saúde da ABRASCO. Membro da Associação Brasileira da Rede Unida. Integrante da Articulação Nacional de Movimentos e Práticas de Educação Popular e Saúde.

 

Virgínia Leissmann Moretto, Professora Associada do Departamento Materno-Infantil da Escola de Enfermagem da UFRGS, Doutora em Enfermagem, Presidente da Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiras Obstétricas-RS e Membro da Câmara Técnica do COREN-RS.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco − um =