Assessoria especializada em recuperação judicial buscará o pagamento dos trabalhadores de saúde da Ulbra

 

O SERGS sediou nesta quarta, dia 19, assembleia de três categorias de trabalhadores que atuavam em serviços de saúde vinculados à Ulbra, que agora buscam seus direitos após a recuperação judicial anunciada pela universidade. Enfermeiros(as), farmacêuticos(as) e técnicos de segurança do trabalho aprovaram  a contratação de uma assessoria jurídica especializada em recuperação judicial para buscar de forma unificada os direitos dos trabalhadores.

O vice-presidente do SERGS, Ismael da Rosa, saudou os presentes, reforçando a importância da unidade dos sindicatos nesta luta. A advogada Mari Agazzi, da assessoria jurídica do SERGS na capital e do Sindifars e Sinditest lembrou que as ações que envolvem essas categorias foram ajuizadas tão logo começaram os atrasos de salários e descumprimentos legais pela Ulbra, em meados dos anos 2000. Também participou da assembleia o advogado Paulo Lauxen, que presta assessoria jurídica para o SERGS aos enfermeiros(as) de fora de Porto Alegre.

Os sindicatos buscam os créditos de verbas trabalhistas desde 2002, sendo dois processos movidos pelo SERGS, um pelo Sindifars e um pelo Sinditest. A assessoria especializada em recuperação judicial terá como tarefa defender que os valores a receber dos beneficiados por estas ações sejam honrados, já que agora todos os penhores e acordos anteriores na Justiça do Trabalho estão suspensos.

 

Não houve ainda uma proposta formal da Ulbra para o pagamento dos seus credores, após a decretação da recuperação judicial. Os sindicatos estão se antecipando pois temem que outros credores com dívidas expressivas sejam privilegiados. “Os créditos trabalhistas devem ser preferenciais e a assessoria especializada irá zelar para conseguir o máximo possível para os trabalhadores”, observou Dra. Mari Agazzi, lembrando que a Ulbra também tem dívidas altas com bancos e com o Fisco para honrar.

Além da assembleia realizada hoje, Simers e Sindisaúde devem estar colocando em votação nas próximas semanas a contratação da mesma assessoria especializada. O mesmo movimento deve estar sendo feito por professores e funcionários administrativos.

Os(as) enfermeiros(as) já receberam as verbas rescisórias, mas ainda aguardam o pagamento de adicional noturno, multas por atraso no salários e FGTS, assim como as demais categorias.

“O bolo está posto e os outros credores da Ulbra serão vorazes. É preciso garantir os direitos dos trabalhadores”, finalizou o vice-presidente do SERGS, Ismael da Rosa.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 − 4 =