A Universalidade do SUS em discussão no Fórum das Resistências

 

A defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) foi pauta de mais um debate do Fórum Social das Resistências, nesta quinta, dia 23, na sede do Simpa. Promovido pelo Coren-RS, o espaço de debate teve a presença de várias entidades.

A presidente do SERGS, Cláudia Franco, analisou a atual política de desmonte do SUS. Segundo ela, o novo modelo de financiamento do SUS precariza ainda mais a mão de obra e impacta no atendimento aos usuários. “Estudos apontam que as equipes de atenção em estratégia e saúde da família devem atender em torno de 1700 pessoas. Com o novo financiamento esse universo amplia para 4500 pessoas”, observou. Claudia lembrou que os trabalhos em equipe acabam sendo prejudicados pela falta de efetivo e de investimentos  direcionados para a atenção básica.

Cláudia também reforçou que o conceito da atenção básica se perde com estas novas medidas. Ela lembrou ainda a ação do Prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Junior, que demitiu publicamente 1840 funcionários do IMESF para teoricamente cumprir uma decisão do Supremo Tribunal Federal. “Porto Alegre é um projeto piloto do Ministério da Saúde para o desmonte da atenção básica, que poderá ser replicado nos demais municípios do país”. Ela encerrou afirmando que essas propostas, como a emenda constitucional 95 e o novo financiamento da saúde precisam e devem ser estudados e discutidos por todos os envolvidos na área da saúde.

 

Texto: Jornalista Bruno Moura

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 − oito =