Centrais Sindicais e magistrados da Justiça do Trabalho protestam no Dia do Basta

 

A manhã gelada e ventosa da sexta-feira, 10/08, foi marcada pela mobilização e protesto das centrais sindicais e dos magistrados da Justiça do Trabalho, na capital dos gaúchos. O Dia do Basta, como é denominado, teve o intuito de dizer chega ao desemprego, ao aumento dos preços dos combustíveis e à retirada de direitos dos trabalhadores(as). Organizadas pela Central Única dos Trabalhadores (CUT Brasil), as manifestações começaram logo cedo, às 6h, e reuniram cerca de 2 mil manifestantes. Um ato na frente da Fecomércio deu prosseguimento às atividades, que se deslocaram até o Palácio Piratini e depois na frente do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-4), pela defesa da justiça do trabalho e dos direitos sociais.

Nos discursos, a defesa dos direitos dos trabalhadores(as) foi a maior reivindicação. Para Estêvão Finger, presidente do Sindicato dos Enfermeiros do RS (SERGS), essas manifestações foram importantes para reafirmar o posicionamento da entidade. “Somos contrários às reformas Trabalhista e da Previdência, bem como a todo retrocesso nos direitos trabalhistas. Também somos contra a Emenda Constitucional 95, que congela por 20 anos os recursos federais para saúde e educação”, avaliou o presidente do SERGS.

A juíza do Trabalho, Valdete Souto Severo, disse que os juízes comprometidos com a democracia estão lutando para garantir os direitos sociais. “Ou defendemos a Justiça do Trabalho, ou retrocederemos pelo menos 200 anos. Temos que defender os trabalhadores(as) para que vivam com o mínimo de dignidade”, afirmou.

Para o secretário-geral da CUT, Amarildo Pedro Cenci, é preciso conscientizar a população para dar um basta nos retrocessos que estão em curso.

Texto e fotos: Juliana Leal – Jornalista (DRT-DF 10.947/05)
Interlig Propaganda Solidária

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um + 5 =