COSMAM debate a situação grave do Hospital Beneficência em Porto Alegre

Na terça-feira, dia 21, a COSMAM realizou por volta das 10 horas da manhã reunião para debater a situação do Hospital Beneficiência, junto a gestão da instituição, secretaria municipal de saúde,o SERGS, entre outros sindicatos. Depois de completar cinco meses onde trabalhadores seguem sem receber seus salários e com leitos do hospital vazios em uma região de extrema importância estratégica, o diretor do Beneficência Portuguesa, José Antônio Pereira de Souza, revelou que o problema financeiro iniciou em gestões passadas em um processo de negociação de equipamentos com a empresa Radial, que fazia o serviço de radiologia e diagnóstico por imagem. O diretor ainda reforçou que a razão para os atrasos terem sido aprofundados foi devido a negociação de um aporte financeiro com a Caixa Econômica Federal, que dificultou a liberação do dinheiro até decidir não liberar o financiamento.

Após confirmar que o Banrisul deve liberar aporte para amenizar o quadro financeiro do hospital, o presidente do SERGS se posicionou duramente contra o diretor do Beneficência, justamente por não saber destes fatos. Segundo eles, em nenhum momento José Antônio Pereira de Souza aceitou receber representantes de sindicatos nem sequer para dialogar, quanto menos para explicar as razões que levaram com que diversos profissionais trabalhassem cinco longos meses só recebendo vale-transporte. O presidente do SERGS, Estêvão Finger, lembrou que os profissionais de enfermagem, que são essenciais para a área da saúde, não trabalham por caridade e suas vidas estão sendo dificultadas pela falta de pagamento. “Não toleramos uma gestão que esquece do trabalhador, e que pede compreensão quando não compreende a categoria e se utiliza de assédio moral contra os que se posicionam contrários a esta política de desmonte”, argumentou Estêvão.

Além dos representantes sindicais, os vereadores usaram a palavra para afirmar que o hospital deve ser salvo, evitando que aconteça com ele o que houve com o Parque Belém. Uma das alternativas apontadas foi a saída do diretor do Beneficência Portuguesa, José Antônio Pereira de Souza, que também colocou seu cargo a disposição caso considerem este um empecilho para salvar o hospital. Uma nova reunião deve ser marcada entre a gestão da instituição, secretaria de saúde e vereadores da COSMAM, com representante do Banrisul para tratar medidas que possam salvar o hospital, colocar em dia os salários atrasados dos trabalhadores e reabrir as portas do hospital para a população. “Recomendamos a saída do diretor José Antônio de Souza, e que o poder público municipal assuma o controle do Beneficência, pois acreditamos que ele deva ser disponibilizado a população 100% SUS”, concluiu Estevão após o término da reunião.

Texto e fotos: Assessoria de Comunicação SERGS

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro − três =